Início Dicas e Roteiros da Itália Torre de Pisa: a Torre Pendente mais famosa do mundo

Torre de Pisa: a Torre Pendente mais famosa do mundo

Publicado em:

A Torre Pendente de Pisa, popularmente conhecida como Torre de Pisa, ficou famosa a causa de erros de engenharia e de cálculo matemático.

Ela tinha sido projetada para ficar bem reta e de pé, com uma verticalidade completa, mas o erro que iniciou no séc. 11, fez com que ela se transformasse em uma monumental massa inclinada de 14,5 toneladas.

Patrimônio da Humanidade Unesco desde 1987, apesar da sua inclinação, pode ser considerada uma obra-prima do românico toscano.

A verdade é que graças ao seu “defeito”, milhares de visitantes do mundo todo queiram conhecê-la e visitá-la, porque apesar de inclinada é possível subir e chegar ao topo da torre, e de lá tirar fotos fenomenais.

Leia também:

Por que a Torre de Pisa foi construída?

Pisa foi uma das cidades mais ricas e poderosas da Itália. Por volta do século 11, junto com Gênova, Amalfi e Veneza, ela era uma das quatro repúblicas marinaras.

O canteiro naval de Pisa era flórido e rico. Aqui se construíam embarcações tanto para defesa do território quanto para exploração de novos territórios, comércio e até embarcações que partiam para as cruzadas.

Portanto, para celebrar a glória, a riqueza e a importância de Pisa, decidiu-se construir um complexo com valor religioso e civil: a Praça dos Milagres (em it.: Piazza dei Miracoli), da qual um dos monumentos é a torre campanária da catedral, torre essa que, devido à sua pendência, acabou se revelando a atração mais famosa da praça.

Sim, estamos falando da Torre de Pisa!

Crédito: Shutterstock

O Complexo da Praça dos Milagres e a Torre de Pisa

A Praça dos Milagres é uma ampla praça, coberta por um impecável e verde gramado, da qual despontam os quatro edifícios mais significativos da cidade: o Duomo, o Batistério, a Torre de Pisa e o Campo Santo (o cemitério monumental).

Graças à disposição dos edifícios podemos ter uma visão 360º da praça, sem que nenhuma construção ofusque a outra.

A praça junto com os monumentos é um das maiores obras-primas de urbanização e arquitetura de época medieval na Europa.

O complexo foi construído na segunda metade do século 11, em uma área na parte norte da cidade, que ficasse longe das inundações do Rio Arno. Aliás, esse é o motivo pelo qual a Torre de Pisa não fica em uma posição central, o que se esperaria de uma praça monumental para celebrar a glória de Pisa.

O conjunto de edifícios possui um forte significado simbólico que resume a existência de um cristão: nascimento (batistério), vida religiosa (a catedral e a Torre de Pisa) e morte (cemitério monumental).

Além disso, existe um outro simbolismo entre a Praça dos Milagres e os lugares santos: segundo uma antiga tradição, a terra usada no Campo Santo de Pisa tinha sido trazida da Terra Santa.

Ademais, a disposição entre a catedral e o batistério reevoca o complexo constantiniano do Santo Sepulcro.

Essa ligação se faz ainda mais forte quando pensamos que o bispo de Pisa também era patriarca de Jerusalém.

A Praça dos Milagres vista do alto | Crédito: Shutterstock

Torre de Pisa: a torre campanária da catedral

O Duomo de Pisa, que também é catedral da cidade, foi o primeiro dos edifícios a serem construídos na Praça dos Milagres. As obras começaram em 1064, como agradecimento à Virgem Maria por ter derrotados embarcações árabes em Palermo.

O início da construção da Torre de Pisa foi por volta de 1173, vinte anos após o início da construção do batistério. Originalmente a Torre de Pisa foi idealizada para ser a torre dos sinos, ou seja, a torre campanária da catedral.

Ela permaneceu de pé pelos primeiros cinco anos, mas em 1178, quando começou a ser construído o terceiro andar, deram-se conta que a torre começava a inclinar.

O alicerce da torre originalmente havia sido projetado com somente três metros de profundidade (o equivalente a um andar). O terreno, arenoso e argiloso, não era suficientemente compacto para suportar o peso da torre.

Isso fez com que a construção ficasse parada por cerca de 100 anos, inclusive porque Pisa se envolveu em várias guerras políticas com Gênova, portanto, a atenção do governo e o capital público foi empregado em outras prioridades.

Além disso, os engenheiros da época acreditavam que o solo iria se estabilizar e a inclinação da torre se “resolveria” sozinha.

Torre de Pisa: retorno à construção e mais erros matemáticos

Cerca de 100 anos depois, retornou-se a construção da torre, decidindo acrescentar ainda mais andares.

Giovanni di Simone, o engenheiro da vez, acreditava que para balancear a pendência, seria importante construir um lado mais pesado e um lado mais leve. Obviamente essa estratégia não funcionou, e a torre inclinou aiinda mais.

Não satisfeitos, no século 14, chegou-se ao sétimo andar e ainda foi acrescentada a torre campanária. A altura da Torre de Pisa é 57 metros.

Em 1838, o arquiteto Alessandro Della Gherardesca resolveu construir uma passagem na base, para permitir que o público pudesse admirar a arquitetura e a decoração da torre. Obviamente, cavar na base da torre fez com que ela inclinasse ainda mais.

 

Os restauros do século XX e a estabilidade da torre

Todas as pesquisas tecnológicas do século XX chegaram à conclusão que, apesar da torre ter sido construída longe do Rio Arno, existia uma grande quantiidade de água subterrânea que causava a fragilidade do terreno.

Parecia que a melhor alternativa fosse drenar o subsolo. Mas isso causou um afundamento ainda maior do terreno e a torre inclinou mais um pouco.

Em 1993 a pendência da torre era de 4,5 graus, o eixo da base tinha cerca de 4 metros de deslocamento e existia o perigo real que a Torre de Pisa desmoronasse.

Muitos se perguntam porque a Torre de Pisa não cai apesar da sua inclinação. A razão é porque realizadas obras que duraram de 1990 a 2001, adotando várias medidas, desde colocação de contrapesos de chumbo (cerca de 900 toneladas), intervenções para tornar a torre campanária mais leve e alguns interventos no subsolo, fazendo com que a torre, que ainda é torta, tenha uma inclinação de 3,9 graus.

Isso significa que a torre permanecerá estável por pelo menos 300 anos. Podemos comemorar, mas precisamos termos a consciência que, futuramente, será necessário intervir novamente na estabilidade da torre.

Hoje existe um Comitê Internacional para a Conservação da Torre de Pisa. Os resultados tecnológicos alcançados até agora aconteceram graças à colaboração dos departamentos de engenharia de três universidades: o Politécnico de Turim, a Universidade Federico II de Nápoles e o Imperial College de Londres.

Desenho da Torre de Pisa com esquema da construção e restaurações

Vista panorâmica e como subir na Torre de Pisa

Subir na Torre de Pisa proporciona uma emoção única. Além de entrar em um dos monumentos mais antigos e famosos do mundo, a vista panorâmica que se tem de Pisa é admirável.

Interessante porém, levar em consideração que, dada a pendência da torre, a subida pode não ser aconselhada para quem sofre de vertigens e tonturas.

Para segurança dos visitantes e conservação do monumento, em cada horário marcado, entram no máximo 30 visitantes.

O ingresso da Torre de Pisa é vendido pelo site oficial da OPA Pisa e custa 18 euros. Também é possível comprar ingressos para visitar o Batistério, o Camposanto, o Museo delle Sinopie e o Museo dell’Opera del Duomo.

Nesse caso (com exceção da Torre de Pisa) pode-se escolher visitar uma única atração e pagar 5 euros, ou visitar todas as quatro acima indicadas e pagar 9 euros.

A visita ao Duomo de Pisa é gratuita, mas é necessário retirar o bilhete gratuito na bilheteria da OPA Pisa.

Turistas nos últimos andares da torre. | Crédito: Shutterstock

Como chegar na Torre Pisa?

A Torre de Pisa fica a menos de cinco minutos da Estação de Pisa San Rossore. Se você for a Pisa para visitar somente a Praça dos Milagres e a torre, a melhor opção é descer nessa estação.

Caso deseje passear pela cidade e conhecer outros monumentos, uma opção é chegar pela Estação Pisa Centrale e sair da cidade pela Estação Pisa San Rossore, ou vice-versa.

Mais dicas de viagem na Toscana:

Luciana Rodrigues
Guia brasileira em Roma e Vaticano. Moradora de Roma há mais de 21 anos. Idealizadora e produtora de conteúdo do Roma Pra Você, para quem quer organizar a sua viagem a Roma em plena autonomia. Seja bem-vindo(a) e prazer em conhecê-lo(a)!

12 COMENTÁRIOS

  1. Ahh, adorei essas informações! Eu nem sabia que podia subir na Torre de Pisa! Está na minha lista de desejos conhecer essa região!

  2. Confesso que tenho agonia de olhar as fotos da torre de pisa, é tão torta que me dá vontade de ir lá ajeitar ela kkkk morro de vontade de conhecer, mas ainda não tive a chance! Obrigada pelas ótimas dicas

  3. Luciana, nunca tinha lido um artigo tão completo sobre a torre de Pisa. Erros uns atrás dos outros, haha. Admira que ainda não tenha caído. É um lugar muito especial, não é mesmo?
    Lindo post

  4. Não conhecia a história completa da Torre de Pisa – interessante como uma série de erros virou um ponto turístico tão conhecido, não é mesmo? Se fosse certinha talvez não fosse tão famosa…

  5. Adorei o conteudo sobre a torre de Pisa. Interessante que não sabia como a proximidade da torre tambem era lindo. Obrigao por nos apresentar essa regiao em volta da torre. Abraços

  6. Incrível como a Torre de Pisa nos traz o desejo incontrolável de conhecê-la de imediato. Como geógrafa, o fascínio pela história de sua inclinação é mais do que a vontade de conhecer a torre, mas sim de estudá-la mais de perto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Dicas Mais Procuradas

- Advertisement -
error: