Início Dicas de Roma Os Museus Grátis dentro do Vittoriano

Os Museus Grátis dentro do Vittoriano

Publicado em:

O Vittoriano é um dos maiores monumentos de Roma hospeda museus gratuitos no seu interior. 

O Museo Nazionale dell’Immigrazione Italiana tem como temática os italianos que emigraram para outros países, mas sobretudo a América do Norte e do Sul.

Já o museu chamado Sacrario delle Bandiere (Memorial das Bandeiras ou Santuário das Bandeiras) um museu dedicado forças armadas.

Leia também:

MEI: Museo Nazionale dell’Emigrazione Italiana

O acervo do museu é muito interessante, além dos objetos objetos expostos possui suportes midiáticos é possível reconstruir a emigração de italianos no mundo todo inclusive por meio de documentários e filmes famosos como Sacco e Vanzetti.

Muitos brasileiros tiveram ou tem um bisnonno e um nonno italiano, né? A gente pensa que a maioria das pessoas que emigravam da Itália o faziam por extremas condições de pobreza.

Não perca seu precioso tempo em filas enormes!

Ingresso fura-filas para o Coliseu

Ingresso fura-filas para a Capela Sistina

Leia mais 

Na verdade muitos  italianos que foram para a América do Sul, EUA e Canadá, mas também para outros países europeus mais ricos, como França, Bélgica, Suiça e Alemanha, eram mesmo aqueles que procuravam fortuna ou a possibilidade de uma vida melhor. E muitas vezes encontraram condições de vida péssima!

Instrumentos musicais que os italianos levavam consigo e que animavam as noites dos círculos italianos pelo mundo

Pensão para emigrantes italianos

Malas e baús dos emigrantes

O percurso do museu também explica que existiam emigrantes ricos, famílias ou grupos de amigos que fizeram uma espécie de consórcio mandando assim alguns parentes mais aventureiros em busca de riqueza.

Fotos após a chegada no destino

Muitos emigrantes genoveses, cidade italiana que possui séculos de tradição de navegação (de lá partiu Cristóvão Colombo para a conquista da América) e em cuja região há muitos estaleiros, criaram empresas de navegação na região do Rio da Prata, na fronteira entre Argentina e Uruguai.

Mas também houve muitos italianos que emigraram porque eram persona non grata: anarquistas, comunistas, etc. Lembram do livro Anarquistas, graças a Deus, da Zélia Gattai? Ele conta um pouco esse aspecto dos italianos que fugiram da Itália porque protestatavam por melhores condições de vida e de trabalho.

Muito interessante ver no documentário um pouco dos slangs que nascem da mistura que os emigrantes italianos faziam do dialeto local com a língua do novo país, principalmente aqueles que emigraram para países de língua inglesa.

Outro aspecto a ser considerado é que a Itália nunca deixou de ser um país de emigrantes. Hoje os italianos não emigram mais em massa, ou por causa da fome, mas, muitos jovens ainda buscam sorte e melhores condições de trabalho no exterior.

Cartaz que mostra uma mulher loura, sorridente e bem vestida, fazendo alusão que a vida dos emigrantes seria melhor. Essas propagandas eram feitas pelas empresas que vendiam passagens nos navios

Um documentário fala que, se no passado o nonno italiano emigrava em busca de fortuna, hoje em dia as novas gerações de pesquisadores, profissionais liberais, médicos, artistas, emigram porque as condições de trabalho na Itália não são tão boas como em países como a Inglaterra, França, Alemanha.

Esse último é um dos países para os quais os jovens italianos mais emigram, mesmo enfrentando a dificuldade inicial do idioma.

Imigração pode ser sinônimo de esperança, mas também de grandes tragédias

A mostra também nos instrui quanto ao fato que nem sempre os emigrantes encontram sorte. Houve navios que afundaram, houve linchamento de italianos pelo simples fato de serem italianos. Nos Estados Unidos muitos italianos só podiam frequentar as escolas segregadas para alunos negros.

Mas uma das maiores tragédias foi aquela que se deu em Marcinelle, na Bélgica, onde cidadãos italianos morreram na explosão de uma mineira de carvão. De 262 operários, 136 eram italianos.

O museu não é grande e é possível ver tudo com calma em uma hora, sem assistir o documentário, que é em italiano.

Museo Sacrario delle Bandiere

O museu chamado Sacrario delle Bandiere (Memorial das Bandeiras ou Santuário das Bandeiras) é dividido em duas partes: uma dedicada àPolizia, Carabinieri, Guardia di Finanza, Exército Italiano, Exércitos Voluntários, Exército Garibaldino, etc. e uma outra parte dedicada à Aeronáutica e à Marinha.

Leia também:

Para visitar a primeira parte, a entrada é pela Via di San Pietro in Carcere (do lado que dá para a escadaria do Campidoglio); e para visitar a parte dedicada à Aeronáutica e à Marinha, a entrada encontra-se na Via dei Fori Imperiali. 

Camisa vermelha, o símbolo principal do Exército Garibaldino

O que há no acervo do museu?

O Túmulo do Militar Desconhecido (Il Milite Ignoto)

O túmulo do Militar Desconhecido representa todos os militares mortos na primeira guerra mundial e cujos corpos não puderam ser reconhecidos.

Em 1921 a mãe de um soldado não identificado foi convidada a escolher um cadáver, para que representasse simbolicamente os jovens mortos na primeira guerra.

Devido à forte emoção, a senhora ajoelhou-se chorando diante de um caixão e aquele, dentre os onze cadáveres ali presentes, foi o escolhido para representar os mortos da guerra.

O corpo foi trazido de trem de Aquileia, cidade que fica na província de Udine, até Roma. E por todas as estações onde passou, a população correu para saudar simbolicamente o militar desconhecido.

Segundo fontes históricas, o número de corpos não identificados na primeira guerra mundial, e que foram enterrados em fossas comuns foi enorme.

No dia 4 de Novembro de 1921, foi feita uma celebração solene. O túmulo foi colocado dentro do Vittoriano e nele, além da inscrição Milite Ignoto, também encontram-se gravados os anos do início e fim da primeira guerra mundial: 1914 e 1918.

O Memorial das Bandeiras e os Uniformes Militares

O acervo do museu tem como pano de fundo também as histórias das guerras nas quais a Itália participou, desde as duas grandes guerras e também as guerras colonialistas, durante a tentativa italiana falida de possuir colônias na África. E nelas há a presença e evolução do Tricolore, como é chamada a bandeira tricolor italiana.

É particularmente interessante ver como o uniforme do exército europeu adaptou-se ao continente africano: uso de escudos de couro, espadas e punhais africanos e mantas feitas com tecidos africanos muito coloridos.

Uniforme de soldado africano que alistou-se no Exército Italiano

Mas além das bandeiras e uniformes, também encontramos alguns objetos interessantes, como o gramofome com as músicas de propaganda, feitas especialmente para animar os soldados no front de batalha.

A mostra se encerra de maneira “politicamente correta”, exibindo a atuação do exército italiano hoje em dia, em ações de guerra, mas também de paz.

A grande verdade é que as ações de paz acontecem em territórios de guerra, então há muito o que refletir sobre o conceito de paz. Todas as estátuas com os uniformes são em tamanho natural e, em alguns casos, tem até uma placa com o nome do militar que vestiu aquele uniforme.

Sempre achei que mensagens enviadas por pombo-correio fosse coisa do cinema, mas, aqui, vemos os “Colombrigrammi” (mensagens enviadas pelos pombo-correios) durante a guerra de 1915-1918 entre a Itália e a Austria

O museu é gratuito e além do acervo é uma chance para ver o Vittoriano por dentro, com suas estátuas altivas e o belíssimo chão de mármore.

MEI

Piazza dell’Ara Coeli, 4 (dentro do Vittoriano) – Site Institucional: http://www.museonazionaleemigrazione.it/

A entrada é grátis

Aberto de 2af a 5af das 9:30 às 18:30 e de6af a domingo de 9:30 às 19:30

Para saber eventuais mudanças de horários, consulte o site da Prefeitura de Roma: http://www.060608.it/it/cultura-e-svago/beni-culturali/musei/museo-nazionale-emigrazione-italiana-mei.html

Museo Sacrario delle Bandiere

Abre de 3af a domingo das 9:30 às 15h. O museu fecha todas as segundas-feiras, nos feriados nacionais e também no dia 4 de Novembro, que é o dia das Forças Armadas.

Mais dicas da Itália para a sua viagem:

Veja a seguir serviços essenciais para a sua viagem

  • Seguro Viagem obrigatório para Itália e Europa em geral
A Itália faz parte dos países europeus que exige seguro de viagem com apólice mínima de € 30.000. Faça o seu Real Seguros.
  • Procurando hospedagem em hotel ou apartamento?
Reserve hotéis e apartamentos em qualquer cidade do mundo. Site em português e cotação em reais.
Luciana Rodrigues
Guia brasileira em Roma e Vaticano. Moradora de Roma há mais de 21 anos. Idealizadora e produtora de conteúdo do Roma Pra Você, para quem quer organizar a sua viagem a Roma em plena autonomia. Seja bem-vindo(a) e prazer em conhecê-lo(a)!

3 COMENTÁRIOS

  1. Lu… amei o post. Adoro museus que contam a história da imigração. Não conhecia ele, mas quando estiver em Roma vou reservar um tempo para ele. Bjo e Boa Semana!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Dicas Mais Procuradas

- Advertisement -
error: