Início História Primeiro triunvirato: a aliança entre César, Pompeu e Crasso

Primeiro triunvirato: a aliança entre César, Pompeu e Crasso

Publicado em:

O primeiro triunvirato é o nome que se dá a um acordo não oficial estipulado na cidade de Lucca (Toscana) em 56 a.C.

O nome triunvirato vem do fato que o acordo foi estipulado entre três (tri) chefes políticos (viri); o qual, de maneira mais ou menos secreta, visava prevalecer sobre o Estado e a constituição republicana.

Os três importantíssimos personagens que fizeram esse acordo de colaboração eram: Júlio César, Marco Licínio Crasso e Gneo Pompeu Magno.

Eles eram considerados os “donos de Roma”: Júlio César após as suas vitórias era o líder indiscusso amado pelo povo e apoiado pelos exércitos desde a mais alta à mais baixa hierarquia, Pompeu Magno comandou importantes vitórias militares na Europa, no Oriente.

Leia também:

Crasso, além de político e repressor da rebelião guiada por Spartacus, era considerado o homem mais rico de Roma e, com certeza um dos personagens mais ricos do mundo antigo.

O historiador antigo Plutarco afirmou que o encontro dos três homens era “uma conspiração que visava uma nova divisão do poder entre os três conjurados e à abolição da constituição”.

Como e por que nasceu o primeiro triunvirato de Roma?

primeiro triunvirato
Rosto de Júlio César, Museus do Vaticano

César, Pompeu e Crasso tinham seus objetivos mais do que pessoais para desejarem se livrar do controle da constuição e do domínio do Senado.

Pompeu tinha nas costas mais de vinte anos de vitórias militares. Na guerra civil de Mário contra Sula, tinha se aliado com esse, e subido no carro dos vencedores. Nos anos seguintes, à frente dos seus comandos militares, venceu todas as batalhas das quais participou.

Quando retornou a Roma, apesar das honrarias e triunfos, de ter alcançado o maior grau do cursus honorum (ou seja, era um cônsul), o Senado demonstrou uma enorme hostilidade contra Pompeu. Temia que seu enorme poder pudesse ofuscar o poder dos senadores.

Como era praxe entre os generais, Pompeu pediu ao Senado que o autorizasse a distribuir entre seu exército congedado ao final da guerra, os territórios e bens confiscados aos inimigos. Seu pedido foi negado. Além disso, o Senado não retificou uma série de acordos políticos que Pompeu havia feito no Oriente.

Tudo isso com o intuito de enfraquecer o poder político de Pompeu.

De outro lado temos Júlio César, o qual, apesar do incontentável sucesso militar, nunca obteve um total consenso por parte do Senado.

Sua família era em parte de origem patrícia, em parte de origem plebeia, o que fez com que César apoiasse a facção do seu tio Mário (que perdeu a guerra contra Sula).

O fato que Júlio César tivesse um enorme consenso público, fez com que o Senado começasse a temer que ele pudesse restaurar a monarquia, e em um golpe, se autodeclarar o novo rei de Roma, o que anularia a constituição e o poder do Senado.

Ao retornar a Roma após as suas campanhas militares, César queria se candidatar ao cargo de cônsul. Mas, prevendo a oposição do Senado, precisava de apoio político e financeiro, portanto, encontrou esse apoio nos outros dois aliados.

Por fim, Crasso tinha no enriquecimento uma das principais razões para ser o terceiro braço dessa aliança.

Crasso vinha de uma família muito rica e politicamente influente, mas na famosa guerra pelo controle de Roma travada entre os anos 88-82 a.C. por Mário (representante da facção popular) e Sula (representanta da facção nobre), a família de Crasso havia apoiado o líder derrotado Mário.

Como punição, seua família teve parte dos seus bens confiscados. Mas na batalha de Sila contra os mitridates, Crasso se juntou ao antigo inimigo, venceu as batalhas e assim obteve o perdão.

Após reaver os bens da família, Crasso adotou a seguinte tática: comprava em leilão (e por um preço irrisório) os imóveis e terrenos confiscados aos inimigos de Roma, e os revendia por um preço muito mais alto.

Com o dinheiro ganho na especulação imobiliária, Crasso também se tornou comerciante de escravos e dono de mineiras de prata.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Porém, apesar da riqueza, ele não possuía grandes honrarias militares como César e Pompeu. Portanto, aliar-se com os outros dois, permitiria de aumentar ainda mais a sua riqueza e galgar fama política.

O primeiro triunvirato de Roma teve duas fases: 60 a.C. (acordo selado em Roma) e 56 a.C. (acordo confirmado em Lucca).

Em 60 os três homens já haviam feito um pacto informal. Jamais foi assinado um documento e alguns historiadores, como o já citado Plutarco, consideram o triunvirato nada mais, nada menos do que uma conjura.

Quatro anos depois, os três consideravam que seus objetivos pessoais não tinham sido alcançados e resolveram reafirmar o acordo. Desta vez, escolhendo Lucca (cidade fora da jurisdição sagrada de Roma).

O acordo principal do primeiro triunvirato de Roma era que Pompeu e Crasso apoiariam incondicionalmente a candidatura de César ao consulado. César, por sua vez, após ser eleito cônsul faria com que o Senado voltasse atrás e Pompeu pudesse distribuir as terras aos seus soldados veteranos. Enfim, Crasso teria apoio nas suas propostas políticas em mérito às licitações públicas.

O fim do primeiro triunvirato: a guerra entre Pompeu e César

Pompeu Magno

Em 53 a.C. Crasso morreu na batalha de Carras, na Pérsia. Além de riquezas, buscava alcançar as mesmas vitórias e honras militares que César e Pompeu.

Com a sua morte, o poder de Roma estava nas mãos de César e Pompeu.

Ao terminar a sua campanha militar na Gália, César retornou a Roma a fim de finalmente se tornar cônsul.

Seu retorno não aconteceu de forma pacífica. O senado ordenou que César desmontasse as tropas e marchasse para Roma não como um comandante militar, mas como um simples cidadão à serviço da República. Além disso, Pompeu se aliara ao senado, que lhe concedeu o título de Cônsul.

César sabia que se marchasse para Roma como simples cidadão, jamais obteria o consulado. Decidiu então desobedecer e atravessou o Rio Rubicão com as suas trupas. O rio era considerado a fronteira sagrada do território sob jurisdição de Roma. Segundo os historiadores, ao atravessar o rio, César teria jogado a sorte com um dado e pronunciada a famosa frase: Alea iacta est (A sorte está lançada)

Pompeu não quis ficar em Roma para ver o que aconteceria, mas obteve o comando de uma província no Oriente, já que seu objetivo era ter tempo de armar um exército para, na eventualidade, se defender contra César.

O primeiro triunvirato de Roma estava definitivamente encerrado.

A fuga de Pompeu terminou com seu assassinato por parte de Tolomeu XIII, irmão de Cleópatra, que queria assim conquistar a simpatia de César e de Roma.

Ao retornar a Roma, trazendo Cleópatra a tiracolo, Júlio César não somente obteve o consulado, como foi eleito ditador perpétuo.

Permaneceu no poder, até seu assassinato em 15 de março de 44 a.C., com 23 punhaladas.

Roma: dicas de viagem, história e cultura

Veja a seguir serviços essenciais para a sua viagem

  • Seguro Viagem obrigatório para Itália e Europa em geral
A Itália faz parte dos países europeus que exige seguro de viagem com apólice mínima de € 30.000. Faça o seu Real Seguros.
  • Procurando hospedagem em hotel ou apartamento?
Reserve hotéis e apartamentos em qualquer cidade do mundo. Site em português e cotação em reais.
  • Aluguel de carro 
Vai viajar pela Itália, de norte a sul ou pelas colinas da Toscana? A melhor opção de viagem é alugar um carro.  
Luciana Rodrigues
Guia brasileira em Roma e Vaticano. Moradora de Roma há mais de 21 anos. Idealizadora e produtora de conteúdo do Roma Pra Você, para quem quer organizar a sua viagem a Roma em plena autonomia. Seja bem-vindo(a) e prazer em conhecê-lo(a)!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Dicas Mais Procuradas

- Advertisement -
error: