Início História Etruscos: uma civilização evoluída da Itália Antiga

Etruscos: uma civilização evoluída da Itália Antiga

Publicado em:

A Itália foi habitada desde a pré-história. Existem testemunhos de civilizações pelo menos 3 mil anos antes de Cristo.

A partir do primeiro milênio antes de Cristo se desenvolveram duas grandes civilizações na península itálica: primeiros os etruscos, e depois os romanos.

E a um certo punto essas duas civilizações se amalgamaram, com o predomínio dos romanos.

Leia mais:

A civilização etrusca

De todos os povos que habitaram a península itálica (ex.: sardos, sículos, umbros, camunos, etc.), os etruscos foram aqueles que deram vida à primeira civilização forte, avançada e evoluída.

Os primeiros traços dos etruscos são datados a 900 a.C., e se considerarmos que os etruscos eram oriundos da civilização vilanoviana, podemos reconstruir a sua árvore genealógica a pelo menos 1.500 anos antes de Cristo.

Inicialmente os etruscos viviam na Etrúria, território que hoje compreende a Toscana, o norte do Lácio e também uma pequena parte do oeste da Úmbria. A grande maioria vivia em vilarejos de cabanas próximos a lagos e rios.

A partir de aproximadamente 700 a.C. os etruscos começaram a construir casas mais sólidas, em cima de colinas, e assim nasceram as primeiras cidades etruscas.

Se inicialmente os etruscos viviam no centro da Itália (Etrúria primária), logo eles se deslocaram para o norte (sobretudo em direção aos atuais estados da Emilia Romagna e parte do Vêneto) e na parte sul dominaram o atual estado da Campania. Esses outros territórios onde havia uma menor presença dos etruscos é conhecida como Etrúria secundária.

O período de maior riqueza começou por volta de 500 a.C. Nessa época os etruscos entraram em contato com os gregos e fenícios, comerciando muito no mar mediterrâneo. Em um segundo momento eles se aliaram com os fenícios para lutarem contra os gregos.

Porém, nesse período também já existia mais uma civilização em luta pelo poder no mediterrâneo: os romanos, cuja cidade tinha sido fundada em 753 a.C.

A decadência etrusca começou em 396 a.C. quando os romanos conquistaram Veio, uma das principais cidades da dodecápolis etrusca. Pouco a pouco os romanos dominaram todas as cidades dos etruscos, até completar todas as conquistas em torno de 200 a.C.

As principais atividades dos etruscos

Agricultura

O território em que os etruscos habitavam era prevalentemente de colinas. Não foi uma escolha casual, mas para melhor se defenderem em caso de invasões.

Eles cultivavam oliveiras e parreiras, fabricando assim azeite e vinho. Para favorecer a agricultura, os etruscos se especializaram em aterrar áreas úmidas e com mangues, e também em construir canais de irrigação e aquedutos.

Nas áreas férteis cultivavam cereais, frutas e verduras. Também tinham rebanhos de suínos, ovinos e bovinos.

Artesanato

A principal riqueza dos etruscos derivava da presença de metais no subsolo da Etrúria principal.

No território da Toscana existiam muito cobre e chumbo nas Colinas Metalíferas, além de ferro na Ilha d’Elba. Com esses metais eles fabricavam instrumentos agrícolas e armas.

Também exploravam o ouro e a prata, e com essas metais preciosos os artesãos fabricavam produtos muito requintavam usando fios de ouro. Os vaseiros usavam um tipo especial de cerâmica preta chamada “bucchero” e com ela criavam vasos e utensílios domésticos ou de decoração.

Cerâmica Etrusca

Comércio

A abundância de matérias primas, os explêndidos objetos produzidos e a proximidade com o mar Tirreno favoreciam as atividades comerciais por meio do mar. Porque os Etruscos construíram uma rica frota mercantil e viraram ótimos marinheiros.

Leia também:

As cidades etruscas

Os etruscos eram organizadas em cidades-estado independentes, governadas por um rei, chamado de Lucumão. O rei também era a máxima autoridade religiosa.

A partir do 6 século a.C. a monarquia foi substituída por um governo oligárquico e o poder passou nas mãos de poucas famílias aristocráticas.

Cada cidade era independente das outras, mas doze delas se uniram para formar a Liga Etrusca. Essa aliança econômica, religiosa e militar tinha sido criada para defender os interesses comuns.

Além disso, cada cidade era cercada por muralhas de defesa, com 4 portas (que às vezes coincindiam com os pontos cardeais) e pelo menos 2 das portas de acesso correspondiam à passagem das principais ruas de acesso à cidade. Fora das muralhas eram construídos os cemitérios.

A sociedade etrusca

Oa aristrocratas tiveram um papel fundamental na sociedade etrusca. Eles eram proprietários de terras e também possuíam as principais atividades comerciais. Os guerreiros e os sacerdotes também tinham um certa relevância econômica, e tinham prestígio social.

Após o crescimento e a expansão comercial, os artesãos e os comerciantes enriqueceram e alcançaram privilégios. A base da pirâmide na sociedade etrusca era formada por uma população numerosa de agricultores, operários, pequenos artesãos a serviço da aristrocracia. Existiam também um grande número de escravos que faziam os trabalhos mais pesados nas mineiras e nos campos.

Na sociedade etrusca as mulheres tinham um papel importante e não somente ao interno da família. Se ocupavam da casa e dos filhos e tomavam parte da vida pública. Tinham uma certa liberdade e podiam participar de cerimônias sagradas, espetáculos, competições esportivas e banquetes.

A escritura

A cultura dos etruscos foi profundamente influenciadas pelos contatos com outros povos, em especial os gregos e os fenícios. O alfabeto etrusco tinha se inspirado no alfabeto grego. Mesmo assim, até hoje a escritura etrusca não foi decifrada por completo, porque os textos encontrados são poucos, curtos e muitos são textos religiosos.

Inicialmente as palavras eram escritas sem espaços entre elas, poi começaram a ser separadas por pontos ou espaços. Algumas palavras foram decifradas porque os textos estavam em duas línguas: etrusco e fenício, como é o caso das lâminas de ouro de Pyrgi.

A religião dos etruscos

Os etruscos eram politeístas. As suas divindades tinham aspecto humano e, apesar de terem nomes diferentes, eram muito semelhantes aos deuses gregos.

Cada cidade tinha o seu próprio deus protetor, e em sua honra eram realizados ritos e sacrifícios.

Eles acreditavam que os deuses se comunicavam com os seres humanaos por isso os sacerdotes interpretavam os fenômenos da natureza como raios, trovões e até revoadas de pássaros. Mas também haviam sacerdotes que interpretavam o futuro em base à análise das vísceras dos animais sacrificados, sobretudo o fígado.

O culto dos mortos

Os etruscos davam muito valor e elevavam muito a série o culto dos mortos.

Inicialmente cremavam os corpos e conservavam os corpos dentro de vasos de barro ou de bronze. Algumas urnas reproduziam a forma das suas casas. As famosas urnas em forma de cabanas.

Em seguida os etruscos começacam a enterrar os mortos e para isso construíram túmulos monumentais. Os túmulos dos ricos eram decorados com afrescos, e eram colocados objetos valiosos que haviam pertencido ao morto.

Túmulo Etrusco em Cerveteri (Roma).

Para conhecer o mundo etrusco

Na Itália há muitos museus etruscos e antigas cidades com necrópolis etruscas. Perto de Roma, indo em direção à Toscana, as mais famosas são as cidades de Cerveteri e Tarquínia. Em ambas as cidades há ótimos museus etruscos e a chance de visitar as necrópoles.

Em Roma, existe um inteiro museu etrusco (o Museu Etrusco de Villa Giulia) coladinho na Villa Borghese, e também uma grande e rica sessão etrusca dentro dos Museus do Vaticano, no corredor após ter passado pela Capela Sistina.

Luciana Rodrigues
Guia brasileira em Roma e Vaticano. Moradora de Roma há mais de 21 anos. Idealizadora e produtora de conteúdo do Roma Pra Você, para quem quer organizar a sua viagem a Roma em plena autonomia. Seja bem-vindo(a) e prazer em conhecê-lo(a)!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Dicas Mais Procuradas

- Advertisement -
error: